13 de jul de 2015

Resenha - As Verdades que ela não diz

Oi leitores! Tudo numa boa? Hoje estou aqui pra falar sobre o último livro escrito pelo meu amor, Marcelo Rubens Paiva (Okay, talvez ele ainda não saiba que ele é o meu amor... Hahaha!). Desde que li Feliz Ano Velho me apaixonei pela escrita dele, e esses dias assistindo a uma entrevista descobri sobre esse livro e corri pra ler (óbvio). E bom, acabei me apaixonando de novo... (Vem cá, isso é normal né? Hahaha!).


As verdades que ela não diz é um conjunto de crônicas e contos sobre relacionamentos – novos, antigos, imaginários. Numa seqüência cheia de humor e uma certa melancolia, ele retrata fases pelas quais casais costumam passar – a paixão avassaladora, a diminuição da frequência sexual, o medo de se machucar, traições inexplicadas, a necessidade urgente de mudança que sentimos as vezes.
O que mais me agradou no livro foi que ele foge um pouco dos típicos livros em que as mulheres são as vitimas, (as bobinhas) e os homens são os traidores, (os sabichões). E o melhor, ele faz isso com muito bom humor. É fácil, fácil ser seduzido pelo toque bem humorado das cenas construídas por Paiva.
Nesse livro, não encontramos aquela figura feminina idealizada por todos: a certinha que quando é traída fica chorando pelos cantos. Muito pelo contrário! Tem a mulher que trai o marido que é bom, tem a mulher que não sabe o que quer da vida, tem a que luta pelo homem mas quando ele gruda não o quer mais ( aliás, essa foi uma das partes que mais me identifiquei, afinal, nada pior que um homem grudento né! Foto de perfil dos dois nas redes sociais então? NEVER!!! ) .E é admirável a perícia com que ele escreve as falas femininas, conseguindo transmitir para o leitor todas as peculiaridades características de uma mulher.
Para vocês entenderem um pouco do meu amor por esse livro vou deixar um trechinho de um dos contos que eu mais gostei pra vocês:

“E daí que acaba”

(...) Para aqueles que dizem não acreditar mais no amor, proponho então experimentar outros amores e apostar nesse bilhete só de ida.
Uma noite de prazer acaba.
Um banquete acaba.
Uma viagem inesquecível acaba.
O fim de semana na ilha paradisíaca, um campeonato, o dia, o ano, o gozo, um livro, um disco, um banho de banheira e uma nhá benta acabam.
Como Sísifo, não por isso evitamos outros.
Os homens?
Vou lhes dizer: amamos tanto as que nos deram à luz, nos deram intuição, formas alternativas de pensar, mostraram detalhes que passaram despercebidos, exigiram atenção, dedicação, carinho, nos fizeram ser românticos, vencer a vergonha, e nos inspiraram músicas, poesias, até guerras, e nos ensinaram os diversos tipos de chocolates…
Se vocês não acreditam mais, quem acreditará? Lembrem-se de Nietzsche, que nos últimos dias numa vila italiana, com o calor na pele, viu alegria no niilismo e esperança no desamparo: “Cada passo mínimo dado no campo do pensamento livre, da vida moldada no seu formato pessoal, foi desde sempre conquistado com martírios espirituais ou corporais.”
Trégua.
Que venham os clichês. Cá está o ombro para o choro da mudança de humor inexplicável e inesperada. Quer que eu apague a luz na enxaqueca? Explico com toda a paciência a regra do impedimento, quem joga contra quem, e o que significa aquele quadro no alto da tela, em que três letras COR, vencem por 2×1 as três letras PAL.
Fique na cama na TPM. Trarei uma bolsa de água quente e o jantar. Sim, vamos comprar sapatos. Eu espero. Levo um livro, enquanto você experimenta a loja.
Adorei a cor do esmalte, o corte do cabelo. Batom vermelho te deixa mais bonita. Não, a calcinha não está marcando. Ah, põe o tubinho preto, se bem que gosto quando você coloca aquele vestidinho colorido. Não, o sutiã não está aparecendo.
Eu ligo para o despachante, faço um rodízio nos pneus, troco a bateria, reconfiguro seu computador, mando lavar o tapete, o forro do sofá, também adoro ele com almofadas indianas em cima.
Cuido de você na velhice, não te trocarei por uma adolescente que cheira a tuttifrutti,nem pela secretária vulgar da firma, amarei a sua pele um pouco mais flácida, seus seios naturalmente instáveis, seu corpo maduro, seus joelhos frágeis. E tomaremos vinho tinto todas as noites. Prefere branco? Que celulite? (...)

Agora me digam! COMO NÃO SE APAIXONAR CARA???
Foi isso galera, espero que tenham gostado! Beijos, e até a próxima ^^


15 comentários:

  1. Oi Bia, eu não conhecia o livro ainda, mas fiquei muito feliz de saber agora dele. Achei a premissa muito interessante e com certeza logo que sobrar um tempinho eu irei atrás dele para conferir mais da história :D

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Bia!
    O livro parece bem interessante, que nos faz querer ler e ler e ler rs
    Não conhecia, e adorei a descoberta e a dica ;)
    Beijos
    Dri

    ResponderExcluir
  3. Nossa adorei!!!
    Quero ter oportunidade de ler.
    Parabéns pela resenha!!!

    ResponderExcluir
  4. O livro parece bem interessante, fiquei curiosa pra ler ele

    ResponderExcluir
  5. Nossa que legal! O livro deve ser extremamente interessante ❤️ Amo livro de contos e mal posso esperar para lê-lo. Muito boa a resenha!

    ResponderExcluir
  6. Adorei demais a resenha!
    Não conhecia esse livro, e sério fiquei super interessada, realmente a maioria dos livros mostram só um lado e geralmente as mulheres são traídas e acabam chorando, adorei esse livro abordar diversos meios de realidades sobre relacionamentos, adicionei em minha lista de leitura e pretendo ler em breve.

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?

    O livro parece ser muito e sem contar que você adorou a escrita do autor, enfim adorei a resenha :D

    abs.

    http://perdidoemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oie! Ainda não conhecia esse livro mas ele parece ser bem interessante. Sua resenha ficou ótima! Tão bom quando começamos a ler um livro e nos apaixonamos por ele, quando menos imaginamos o livro acaba e a história deixa saudade. Beijos, Érika

    *www.queroseralice.com.br*

    ResponderExcluir
  9. Oie, tudo bom?
    Não conhecia esse livro ainda, mas conhecia a carreira do autor. Achei interessante porque é uma narrativa formada por crônicas e que fala sobre um assunto de interesse geral. Gostei da indicação.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Ahhhhh que lindooo!!!
    Já amei *--*
    Não tinha ouvido falar desse autor ainda mas pelo que vi aqui está de parabéns!!
    *--*

    ResponderExcluir
  11. Oiie,
    Não conhecia o livro, mas fiquei super interessada por causa do pedacinho do conto que você citou! Vou anotar aqui (parem de me fazer gostar de tantos livros *~* ) e espero poder ler em breve ^^
    Beijos
    Cantinho da Bruna

    ResponderExcluir
  12. poxa q bacana esse autor parece muito bom ^^ gostei das mulheres nao serem bobas pq nem todas saone

    ResponderExcluir
  13. Oi Bia..
    Primeira resenha que vejo do livro e gostei.
    Gosto de ler contos e cronicas. E me interessei pela proposta desse.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oi, não conhecia o livro e, depois da sua resenha, fiquei querendo ler Feliz Ano Velho. Esse livro também parece ser bom, pois parece que mostra muito o que acontece com nós e ainda tem humor. Bjus.

    ResponderExcluir
  15. Não conheci o livro e nem ao menos o autor,mas gostei muito do livro para ser bem tocante.

    ResponderExcluir