24 de fev de 2017

O Amor é Sentimento do Século Passado por Marcos A. Junior

Sim. Esta máxima é verdadeira. O amor é realmente um sentimento do século passado. Do tempo em que as pessoas ainda desejavam pelos encontros, pelo contato físico. Hoje em dia, para a grande maioria, o amor não passa de um sentimento superficial, "amostrável". No passado era bem diferente. As pessoas procuravam similaridades e não diferenças. O verdadeiro amor é de um tempo onde desejávamos senti-lo com todas as nossas forças, não apenas servindo como um paliativo.
Talvez essa seja apenas uma “revolta” do grandioso sentimento. Talvez ele seja soberbo e não aceite ser utilizado em segundo plano, apenas como opção. Por isso, mais uma vez repito: O amor é sentimento do século passado. Do tempo em que as pessoas desejavam uma melhoria individual contínua. Em nada assemelha-se com o presente, onde as pessoas imaginam-se perfeitas, dotadas dos níveis máximos de todas as habilidades da personalidade.
Tal sentimento, com toda sua nobreza, é uma reprodução básica da própria vida. Amor é aprendizado e ensinamento, na mesma proporção. E, incansavelmente, repito: O amor é sentimento do século passado. Daquele tempo onde apenas a palavra era o suficiente para prová-lo. Um tempo onde a saudade não matava. Onde a rotina não atrapalhava em nada os sentimentos. Porém, hoje em dia, tudo está muito diferente. As pessoas “evoluíram”. Acham-se detentores do saber superior.
Conhecimento a nível divino. Talvez por isso, encontramos tantos novos casais fazendo a escolha pelo amor. Pura ironia. O mundo está acabando pela ausência dessa ilustre afeição. Na maioria dos casos, as pessoas que amam, ou “amam”, tem seus relacionamentos destruídos por falhas pessoais e acabam culpando o sentimento por tais choques de moral. Por favor, respeitem-se. Sentimento não é algo palpável. Sentimentos não erram. Pessoas pecam por usá-los de forma incorreta e, com isso, deixam traumas que parecem ser irreparáveis, mas não são.
O reflexo de tal heresia é facilmente notado dentro de um grupo de amigos que fazem tentativas incansáveis pela formação de novos pares compatíveis, entre si, mas que acabam sem encontrar-se no outro. As pessoas tornaram-se intoleráveis a erros. Agem como se houvesse apenas uma chance de descobrir o amor. Não deu certo com o primeiro, não dará com mais ninguém. E nesses casos, mais uma vez, o amor leva a culpa. A verdade é que todos estão muito ocupados, ou são muito jovens, para se preocupar com o amor (como se o sentimento exigisse algo maior que a própria reciprocidade). Essa, a tal reciprocidade, é outro caso a ser discutido seriamente.
Na realidade, as pessoas idealizaram os tais príncipes/princesas encantados (as) e não aceitam nada diferente do que foi criado por suas próprias imaginações. Lembrete: O amor é um sentimento para humildes de coração. Não espere amar aquilo que é vantajoso, pois isso não é amor. O amor não é um negócio. Ama-se o que faz com que nos sintamos vivos, não o que nos traz qualquer tipo de retorno. Porém, esqueci que esse é o século da produtividade. Então, perdoem-me. Sou apenas um cara do passado falando algumas bobagens.

Deixe aqui sua sugestão para os próximos textos!!!

12 comentários:

  1. As pessoas sonham com o amor real e dizem que fazem tudo por ele. O amor é coisa do século passado, pq naquela época as pessoas tinham valores para nutrir esse amor. Hj é tudo pela facilidade e para ser postado não sentido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Thaynara,

      o meu pensamento é exatamente igual ao seu.
      Muito obrigado pelo comentário.

      Excluir
  2. Marcos!
    Como sou do século passado, acredito no amor e não discordarei totalmente de sua opinião pelo fato de tudo nesse novo século ser mais interativo de forma virtual do que de forma pessoal.
    Nos dias atuais as pessoas não se dignam mais nem em olhar nos olhos para conversarem, não se dignam a dar um bom dia, não se dignam mais em conversas nas calçadas (nem dá com medo de assalto, né?)...
    Mas, com um pouco mais de meio século de vida, e sendo do século passado, ainda acredito que o amor possa resistir e sobreviver, mesmo nesse novo século tecnológico e assustador...
    Bom carnaval e moderação, hein?
    “Não basta saber, é preferível saber aplicar. Não é o bastante querer, é preciso saber querer.” (Johann Goethe)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu até concordo com você em algumas coisas. O ideal de "príncipe/princesa" , de perfeição ainda está muito vivo na cabeça das pessoas e elas recusam qualquer um que não se encaixe no seu ideal de "perfeito". Eu vejo o amor como uma escolha. Eu escolho me amar e me aceitar como sou: cheio de falhas(que são incontáveis por sinal), imperfeito. E quando eu me aceito com toda a minha imperfeição , eu irei conseguir amar o outro com suas falhas e erros. Por mais que as pessoas não estejam reconhecendo o amor com toda a sua majestade e importância, cabe a cada um nutrir esse sentimento e não banaliza-lo, pois acredito que somos capazes que viver a modernidade e ainda usar um o amor que é um "sentimento do passado".

    ResponderExcluir
  4. Lucaaaas, que texto lindo, esse final foi de matar! Um cara do passado falando no presente, amei. <3 Realmente, o amor se tornou tão banalizado hoje em dia, vejo pessoas saindo e entrando em relacionamentos como se fosse algo tão simples e fácil de ser achado assim. Estão enganando a si mesmas, né? Porque nada melhor do que sentir o mais puro amor e sem querer nada em troca, apenas a presença daquela pessoa ali, te fazendo rir das coisas mais bobas. Namoro há 3 anos e tento não ficar só idealizando o futuro, e sim vivendo o presente, deixando esse sentimento me consumir em tempo real porque quanto mais amamos (de verdade) nessa vida mais a pena ela valeu.

    ResponderExcluir
  5. O amor é algo maravilhoso e quem diz ao contrário não sabe o que é amar. As pessoas estão dando valor as coisas erradas. Vivem no virtual, só querem viver de aparências. Felizmente tenho em minha vida alguém do "século passado", que acredita que amor é muito mais do que está sendo "representado" nos dias de hoje.
    Amei o texto, muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mariana,

      sim. A coisa está feia. As pessoas não querem mais viver o amor, querem apenas postá-lo.
      Que bom que você tem alguém do século passado. Valorize!

      Muito obrigado pelo elogio e pelo comentário.

      Excluir
  6. Adorei o texto, concordo com muitas coisas nele escritas. Acho que tem pessoas que nao querem viver um grande amor, eles querem mostrar esse tal "amor" para todo mundo... Pro amor acontecer ele nao precisa ser mostrado, nao precisa ser exaltado, so precisa mesmo ser sentido. Muito bom mesmo o seu texto, voce tem uma facilidade em colocar sentimentos e pensamentos em palavras, fico sempre espantada com seu talento :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Camila,

      primeiramente, muito obrigado pelos elogios.
      Esse é o melhor reconhecimento.
      Por vezes fico abismado com os comentários.
      Acredito que tenho alguns conhecimentos e uma facilidade, mas isso não serve de nada se não houverem pessoas como você para reconhecer.

      Sobre o texto, o que foi citado por você é exatamente o que acho.
      Hoje em dia, está muito complicado de manter-se "off" desse mundo de amostrações.
      As redes sociais estão sendo utilizadas de uma forma errada. Pior que isso, as pessoas não importam-se mais com sentir, apenas querem mostrar algo que, na maioria das vezes, realmente não é.

      Mais uma vez, muito obrigado.
      Você me fez ter um momento muito prazeroso.
      Continue por aqui.
      Se gostou, indique a amigos que talvez gostem também.

      Excluir