18 de jun de 2015

Resenha - Feliz Ano Velho

Olá leitores, olha eu aqui de novo hahaha! Tudo bem com vocês? Bom, hoje vim trazer a resenha dessa perfeição de livro: Feliz Ano velho. Vamos lá?




Sinopse: A partir do acidente que sofreu ao dar um mergulho e bater a cabeça, Marcelo vê sua vida mudar radicalmente. Seus dias no hospital, as visitas que recebeu, as histórias que viveu são relatadas sob uma nova perspectiva: a de um jovem que sempre fez tudo o que podia e queria, e que, agora, sentado em uma cadeira de rodas, vê-se impotente diante dos acontecimentos, dependendo da ajuda de amigos e familiares para reaprender a viver.









Essas são  algumas das capas do livro, então se você é daqueles que julgam pelo capa, sinto muito, perdeu uma história incrível! Eu garanto pra vocês, o conteúdo do livro é mil vezes melhor que a capa!






Primeiramente, é importante lembrar que se trata de uma obra baseada em fatos reais, escrita pelo próprio Marcelo – o protagonista. Portanto, é um livro cheio de histórias paralelas, cheio de emoção e, principalmente, com cenas completamente reais.  Mesmo para quem nunca tenha ouvido falar desse livro, é provável que o nome do autor desperte algumas lembranças. Marcelo é filho do ex-deputado federal Rubens Paiva que "desapareceu" durante o regime militar no Brasil. Mas não é disso que fala o livro, apesar de ser autobiográfico.
Muitos anos depois do sumiço do pai, Marcelo era um rapaz de 20 anos feliz e saudável, estudava Engenharia Agrária na Unicamp e morava numa república. Até que em um dia aparentemente comum, ele mergulhou de cabeça em um lago que era raso demais, e fraturou a cervical. Foi nesse dia que Marcelo ficou tetraplégico (palavra que ele odeia, por sinal), e é isso que ele conta para a gente no livro.
Nós podemos acompanhar a história, como se estivesse dentro da própria cabeça dele, tudo o que acontece desde o momento que ele sofre o acidente, até mais ou menos um ano depois do acontecido. Nós temos acesso a cada pensamento que ele teve durante os meses que passou deitado, olhando só para os tetos de hospitais. Depois acompanhamos enquanto ele senta, começa a andar na sua cadeira de rodas, recupera um pouco do movimento dos braços e das mãos.
É impossível não rir dos "absurdos" de alguns pensamentos aleatórios dele, e não ficar aflito todas as vezes em que ele pensou em se matar. E eu gostaria de dizer que no fim ficou tudo bem, mas - se você considera que "tudo bem" seria ele voltar a andar e tudo ser como era antes do acidente - eu vou ter que te desenganar logo de uma vez.
As coisas melhoram? Sim, ele aos poucos vai se tornando mais independente e aprendendo a conviver com a nova situação dele. Mas nada nunca mais vai ser como era antes. E essa é a grande questão. Um momento que poderia ter sido inofensivo mudou a vida dele para sempre, e de todos em volta.
A narração é em primeira pessoa, de forma não linear (Há uma divisão entre passado e presente) e inteiramente informal. A forma que o Marcelo escreve é muito boa! Apesar do que houve com ele ser muito ruim, o modo que ele descreve, as palavras que emprega é muito engraçado! Já logo avisando: este não é um livro para puritanos. Pois é cheio de palavrões, mas que fazem a narrativa ficar leve e divertida! A narrativa conta os amores da vida do Paiva. Olha que foram muitos! Uma coisa que eu discordo com o autor é ele dizer que é tímido. Pois eu não tive a impressão de que ele fosse tímido coisíssima nenhuma! Ele me lembra até um pouco do Cazuza, sem contar que ele também tem um dom pra música. Ele é daqueles personagens que vão te conquistando aos poucos sabe? No final , me peguei completamente apaixonada por ele, deve ser o tal "sorriso bonito" que ele mencionou no livro hahaha!
É um livro muito bom, completamente fora do que eu esperava. Uma leitura que flui rápido e emociona, sem necessariamente levar às lágrimas, o melhor livro Brasileiro que já li até hoje. Super recomendo para todos, sério!


É isso, espero que tenham gostado, até a próxima! Beijos ^^

7 comentários:

  1. Oi, Bia!
    Sou até suspeita em falar sobre esse livro, porque é muito bom, além de ser uma leitura inesquecível. Lendo sua resenha fiquei até com vontade de reler, adorei!

    Beijos!
    livrosdawis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Parece bem legal ja conhecinalguem que aconteceu a mesma coisa por isso nunca pulo em lagos ^^ vou procurar pra ler curto muito esse tipo de historias pena nao capricharem nas capas rsrs

    ResponderExcluir
  4. é dificil eu gostar de livros nacionais mas esse parece ser bom, realmente a capa dele não é muito atraente, mas o que vale é a historia . gosto de livros que tem palavão, faz com que ele fique engraçado.

    ResponderExcluir
  5. Esse livro me agradou bastante, porque eu gostaria de saber o que ele pensava, depois que ficou tetraplégico. Deve ser horrível para uma pessoa acabar nesse estado! Fiquei com bastante vontade de lê-lo. Adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  6. Oi, ainda não conhecia o livro. Algumas vezes gosto de ler livros não-ficcionais, acho bom ler coisas que realmente aconteceram com alguém até porque nos traz lições de vida. Bjus.

    ResponderExcluir
  7. Nossa Bia realmente se for pela capa eu não leio! kkkkk
    Nunca li uma autobiografia, seria interessante ler uma nacional para começar. Sua resenha me conquistou!
    Bjs
    www.leticiaiarossi.blogspot.com.br

    ResponderExcluir